nós somos um

05/03/2011

irreal

Prometi a mim mesma que não me ia apaixonar mais. Para que? Para desejar, amar, tentar proteger e depois, no final sermos expulsas de uma vida que nunca foi nossa, sem experimentar? Sofrer por amar, e saber que nunca se vai ter, dói tanto. Dói-me tanto, ver-te na escola, a passar todos os dias e ter de fingir que não é nada. Que nunca foi ? Desejo-te mais que nunca, amo-te mais que nunca. Gostava tanto de te ter perto de mim, só para mim. Poder dizer-te tudo o que sinto. Tudo o que quero, tudo o que realmente desejo. Mas não consigo. Eu amo-te tanto. Os dias passam e eu continuo a amar-te e a querer-te cada vez mais. Mas eu já não tenho esperança. Eu já não te tenho e tudo isto. Isto de te querer e nunca te ter, está-me a matar, está-me a matar tanto. A cada diz que passa, eu já não sei quem sou. Já não sei que alma tenho. Eu já não tenho melodia na alma, já nem tenho amor para dar. É tudo teu. Tudo o que eu tenho foi depositado em ti que está algures dentro de ti, numa gaveta que está entreaberta e que jamais tu alguma  vez vais tentar abrir ou sequer olhar. E isso magoa, arde e destrói. O teu amor por mim nunca vai ser nada. E eu estou a morrer, estou a gelar e apenas tu conseguias derreter e conseguias voltar a criar o calor que sempre foi meu e que permanece, algures no teu interior, no interior que eu venero, no interior que eu desejo. não quero mais ninguém, só te quero a ti, só quero o teu amor e a tua alma, o teu ser.Vou-te sempre recordar como um amor impossível. Como um amor que nunca será no plural e que nunca terá realidade.

9 comentários: